Pesquisar Artigos






A igreja adventista foi criada pelos remanescentes do “Grande dia do desapontamento” em 22 outubro de 1844. Nessa memorável data, William Miller calculou a volta do Senhor Jesus que não ocorreu. Decepcionado com o acontecimento, ele voltou para a Igreja Batista e permaneceu nela até sua morte.
Com certeza ele deveria ter lido e seguido o versículo abaixo antes do cálculo:

Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor. (Mateus 24:42) 

Miller Reconheceu seu erro, porém nem todos os seus seguidores estavam dispostos a abandonar essa mensa­gem. Ellen G. White, a papisa adventista, deu continuidade ao fiasco cometido por William Miller quando esse calculou a volta de Cristo para 1844. Nascia uma nova seita. Mais a frente explicaremos o que realmente aconteceu nesse ano e o que Miller calculou.

UMA DOUTRINA INSUSTENTÁVEL
  
Toda lei, dada por Deus a Moisés, a Bíblia deixa clara que foi abolida na cruz, portanto o Cristão na graça, não mata, não rouba, não é sodomita e nem anda nu, porque não lhe é lícito, sendo isto testificado em sua consciência pelo Espírito Santo, pois se fosse pelas duas tábuas de pedras, iria pecar a vontade como por exemplo deixar de perdoar, pois lá, em nenhum canto nos diz que não pode fazer isso. Vários outros mandamentos morais estão ausentes no decálogo como: misericórdia, compaixão, gratidão, não a pedofilia, não a prostituição; além de outros.

Não precisamos de lei para fazer o que é correto, mas somente a testificação do Espírito Santo em nossas consciências, pois é este que nos convence do pecado, nos orientando no que é certo, não duas tábuas de pedras, que só serviu para condenar e matar o homem, pois todos se extraviaram. O ministério da morte e condenação gravado em tábuas de pedras, se opõe claramente contra o ministério do Espírito de vida em Cristo Jesus, não tem como conciciliar. Um só serviu para matar o pecador, enquanto que o outro, SALVA. Isso é bastante óbvio, porém muitos insistem a fazer como sempre fizeram: colocar o véu de Moisés no rosto, para não ver a glória de Deus em Cristo.
 
Na velha aliança, não há (houve) ninguém melhor do que Moisés para falar acerca dos dez mandamentos; vejamos o que ele falou:

Então vos anunciou ele a sua aliança que vos ordenou cumprir, os DEZ MANDAMENTOS, e os ESCREVEU EM DUAS TÁBUAS DE PEDRA. (Deuteronômio 4:13)

Os dez mandamentos da velha aliança, escritos em duas tábuas de pedras, foram dados ao povo de Israel, por intermédio de Moisés, quando estavam peregrinando no deserto; quatrocentos anos depois da promessa feita ao pai da Fé Abraão!

Na Nova Aliança, em Cristo Jesus, não há (houve) ninguém melhor do que o apóstolo Paulopara falar acerca dos dez mandamentos da velha aliança; vejamos o que ele nos fala (falou):

E, se o MINISTÉRIO DA MORTE, GRAVADO COM LETRAS EM PEDRAS, veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos na face de Moisés, por causa da glória do seu rosto, A QUAL ERA TRANSITÓRIA, Como não será DE MAIOR GLÓRIA O MINISTÉRIO DO ESPÍRITO? Porque, se o ministério da condenação foi glorioso, MUITO MAIS EXCEDERÁ EM GLÓRIA O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Porque também o que foi glorificado nesta parte não foi glorificado, por causa desta excelente glória. PORQUE, SE O QUE ERA TRANSITÓRIO FOI PARA GLÓRIA, MUITO MAIS É EM GLÓRIA O QUE PERMANECE. Tendo, pois, tal esperança, usamos de muita ousadia no falar. E NÃO SOMOS COMO MOISÉS, QUE PUNHA UM VÉU SOBRE A SUA FACE, PARA QUE OS FILHOS DE ISRAEL NÃO OLHASSEM FIRMEMENTE PARA O FIM DAQUILO QUE ERA TRANSITÓRIO. Mas os seus sentidos foram endurecidos; porque até hoje o mesmo véu está por levantar NA LIÇÃO DO VELHO TESTAMENTO, O QUAL FOI POR CRISTO ABOLIDO; E até hoje, quando é lido Moisés, o véu está posto sobre o coração deles. MAS, QUANDO SE CONVERTEREM AO SENHOR, ENTÃO O VÉU SE TIRARÁ. ORA, O SENHOR É ESPÍRITO; E ONDE ESTÁ O ESPÍRITO DO SENHOR, AÍ HÁ LIBERDADE. (II Coríntios 3:7-17)

O apóstolo Paulo chama os dez mandamentos mosaicos de “ministério da morte gravado com letras em pedras”, fazendo uma alusão às duas tábuas de pedras nas quais foram escritos, e diz que o mesmo foi transitório e suplantado pelo “Ministério do Espírito Santo”. Também diz que a velha aliança (velho testamento) foi abolida pela Nova Aliança (Novo Testamento) feita em Cristo Jesus, e que até hoje o véu da lei mosaica (ministério da morte gravado com letras em pedras) está posto no coração dos legalistas (judaísmo, adventismo e afim), “Mas, quando se converterem ao Senhor, então o véu se tirará.” (II Coríntios 3:16)

Vejamos agora para qual finalidade foi dada a Lei Mosaica ao povo de Israel quando estavam no deserto:

"VEIO, PORÉM, A LEI PARA QUE A OFENSA ABUNDASSE; MAS, ONDE O PECADO ABUNDOU, SUPERABUNDOU A GRAÇA; Para que, assim como o pecado reinou na morte, também a graça reinasse pela justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo nosso Senhor" (Romanos 5:20-21)

"Logo, a lei é contra as promessas de Deus? De nenhuma sorte; porque, se fosse dada uma lei que pudesse vivificar, a justiça, na verdade, teria sido pela lei. Mas a Escritura encerrou tudo debaixo do pecado, para que a promessa pela fé em Jesus Cristo fosse dada aos crentes. Mas, antes que a fé viesse, estávamos guardados debaixo da lei, e encerrados para aquela fé que se havia de manifestar. DE MANEIRA QUE A LEI NOS SERVIU DE AIO, para nos conduzir a Cristo, PARA QUE PELA FÉ FÔSSEMOS JUSTIFICADOS. MAS, DEPOIS QUE VEIO A FÉ, JÁ NÃO ESTAMOS DEBAIXO DE AIO. Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus. Porque todos quantos fostes batizadosdescendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa." (Gálatas 3:21-29)

Os legalistas (judaísmo, adventismo e afins) ainda não compreendem que a lei mosaica, que foi dada ao povo de Israel no deserto, já cumpriu a sua finalidade, ou seja, o ministério da condenação e da morte, gravado com letras em pedras, só serviu de aio (servo grave) para que o pecado abundasse, a fim de que a Graça do Soberano Deus superabundasse e fosse manifestada em Cristo Jesus, pelo qual somos justificados por intermédio da genuína Fé que nos torna filhos de Deus (nova criatura em Cristo), descendência de Abraão e herdeiros da maior promessa (Vida Eterna).

Está bem claro em Gálatas 3:25 que depois que veio a genuína Fé, em Cristo Jesus, já não se tem mais necessidade de estar debaixo do jugo da lei mosaica (aio), pois ela (aio) foi transitória cumprindo a sua finalidade; e foi por isso que o apóstolo Paulo proferiu essas palavras corroborando o que o Senhor Jesus Cristo nos disse:

"A LEI E OS PROFETAS DURARAM ATÉ JOÃO; desde então é anunciado o reino de Deus, E TODO O HOMEM EMPREGA FORÇA PARA ENTRAR NELE." (Lucas 16:16)

"Porque o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que crê." (Romanos 10:4)

“Mas os seus sentidos foram endurecidos; porque até hoje o mesmo véu está por levantar NA LIÇÃO DO VELHO TESTAMENTO, O QUAL FOI POR CRISTO ABOLIDO” (II Coríntios 3:14)

O velho concerto era carnal, o novo concerto é espiritual. O velho concerto era externo, o novo concerto é interno. No velho concerto guardar o sábado era cerimonial, no novo concerto é o sentimento moral, é a necessidade de se descansar um dia por semana, valendo, para esse fim, qualquer deles. Sobre esta questão, escreveu o apóstolo Paulo:

"Um faz diferença entre dia e dia; outro julga iguais todos os dias. Cada um tenha opinião bem definida em sua própria mente. Quem distin­gue entre dia e dia, para o Senhor o faz" (Rm 14.5,6)
 
Agora com fé em Cristo estamos "livres da lei" e servimos em novidade de espírito e não na "velhice da letra". (Romanos 7:6)

Agora temos uma "Lei" maior, não mais escrita em tábuas de pedra, mas nas tábuas de nossos corações e ela é chamada de "Lei da Liberdade", pois ela dá esta liberdade mesmo e acaba com a necessidade de guardar sábados, não comer determinadas comidas, etc. A única recomendação de Paulo foi de não usarmos esta liberdade para dar ocasião à carne.
 
Embora Paulo se dirija a muitas áreas, a maior lição para nós hoje é a suficiência total e completa de Cristo em nossas vidas, tanto para nossa salvação como para nossa santificação. Devemos conhecer e entender o Evangelho de modo que não seremos distraídos por formas sutis de legalismo e heresia. Devemos estar atentos a qualquer desvio que diminua a centralidade de Cristo como Senhor e Salvador.

Qualquer "religião" que tenta igualar-se com a verdade usando livros que afirmam possuir a mesma autoridade que a Bíblia, ou que combina o esforço humano com a realização divina da salvação, deve ser evitada. Outras religiões não podem ser combinadas ou adicionadas ao Cristianismo. Cristo nos dá padrões absolutos de conduta moral. O Cristianismo é uma família, um modo de vida e um relacionamento, não uma religião. Boas ações, ocultismo, astrologia e horóscopos não nos mostram os caminhos de Deus. Somente Cristo mostra. Sua vontade é revelada em Sua Palavra, Sua carta de amor a nós; devemos chegar a conhecê-la.


ALGUNS GRAVES PECADOS DO ADVENTISMO


1. ACREDITAM PIAMENTE QUE SÃO PLENAMENTE CAPAZES DE OBEDECER A LEI

Nenhum homem nascido de maneira natural, jamais pode guardar a LEI e ser perfeito, sem pecado. Foi necessário que DEUS se fizesse homem (nascimento virginal, concepção pelo Espírito Santo, a semente da mulher) para realizar tal façanha. Somente Jesus Cristo o fez. Não abolimos a LEI quando afirmamos que não podemos ser salvos por meio dela. Apenas confirmamos que a salvação não pode ocorrer senão na perfeição de CRISTO. Somente ELE foi totalmente obediente. Por não compreenderem esta verdade Bíblica, acusam todos os demais de serem antinomianos. A justiça de CRISTO cobre todos os pecados, a LEI serve apenas para nos mostrar quão pecadores somos. (Romanos 3:19-20).

A Lei amaldiçoa porque não a guardamos, está além da nossa capacidade. Jesus nos inocenta por crermos nEle. Jesus Cristo foi a última pessoa que teve obrigação de guardar a Lei e o Sábado:  “mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo de lei, para resgatar os que estavam debaixo de lei, a fim de recebermos a adoção de filhos”(Gl.4:4-5). Ele mesmo disse: "Não penseis que vim revo­gar a lei ou os profetas: não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: Até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da lei, até que tudo se cumpra" (Mt 5.17,18).  Jesus Cristo veio, o enviado de Deus, para cumprir a Lei em nosso lugar, o que fez coroando-a pelo ato da sua morte na cruz.

Aqui, três ressalvas:

1.1. Os adventistas erram ao afirmarem que a Epistola aos Romanos e a Epistola aos Gálatas trata apenas dos cerimoniais realizados no templo, com os sacrifícios ritualísticos, e nada tem a ver com a perspectiva moral da LEI. Essa falácia não resiste ao que está descrito em Atos 15, quando é tratado o assunto pela igreja. Será que alguém poderia afirmar que o que está sendo tratado ali pela igreja envolve o sacrifício de animais como obrigação aos gentios ou simplesmente refere-se ao fato de ser claro que nós, os gentios, somos salvos apenas pela graça sem necessidade de nos tornarmos judeus praticantes? Tal afirmação adventista é completamente desonesta a respeito do assunto e serve apenas para desculpar o seu erro grosseiro, mantendo multidões debaixo do julgo da seita. (Gálatas 5:2-4)

1.2. Para se guardar o sábado cerimonial judaico era imprescindível que se praticasse a circuncisão. Sem que isso fosse realizado, de nada adiantaria tentar guardar a LEI. Pergunto, porque os adventistas não realizam circuncisão? Se não o fazem, tornam-se culpados de dupla arrogância: desprezar a principal ordenança da LEI e tentar modificar a ordenança para beneficio próprio. Se tratam a circuncisão como simbolismo, por que rejeitam o simbolismo do sábado cerimonial judaico? (Hebreus 4:1-16)

1.3. Os adventistas já começam errado, pelo fato de Deus não ter dado 10 mandamentos, mas 613. Além disso, Cristo não cumpriu uma parte da lei, e deixou outra para nós cumprirmos, mas cumpriu TUDO, cravando-as na cruz. Quem diz seguir e guardar lei se faz mentiroso, e faz de Deus mentiroso, pois, segundo Tiago, onde diz que quem tropeçar em um ponto, tropeça em todos, logo, é culpado de todos, inclusive o sábado tão venerado pelo adventista, veja:

Tiago 2:10 diz que "quem violar um ponto da lei VIOLA TODOS".

1 João 1:8 a 10 diz que "Quem disser que não peca é mentiroso e faz Deus de mentiroso".

1 João 3:4 diz que "O pecado é aquilo que é contra a lei".

Pelo menos um ponto da lei nós violamos para sermos pecadores. Ora, se violamos pelo menos um ponto, logo, violamos todos, inclusive o SÁBADO. Não tem como escapar, pela lei, todos foram feitos pecadores, para que a graça se manifestasse.

Então, se os sabatistas se arvoram de só eles guardarem os mandamentos, estão redondamente enganados, pois tais textos Bíblicos que vimos desmantela o raciocínio míope.

Acima mostra que quem diz guardar o SÁBADO, se faz mentiroso, e ainda vai mais além, faz de Deus um mentiroso.

Como disse um teólogo:

"Deus não sabia, com toda sua onisciência, onipresença e onipotência, que no mundo haveria um povo capaz de cumprir a lei. Por isso, mandou, em vão, o seu Filho Jesus Cristo para cumprí-la" - brincou.

2. ERRAM TERRIVELMENTE AO TENTAR VALIDAR OS 10 MANDAMENTOS DE QUALQUER JEITO

"Disse Jesus: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas." (Mateus 22:37-40)

Na passagem acima os adventistas dizem que os 10 mandamentos foram resumidos em 2, que os grandes princípios da Lei de Deus são incorporados nos 10 Mandamentos.

Este é mais um exemplo de um ensinamento extra-bíblico. Os 2 maiores princípios, ou seja, o “espírito da lei” cujo Jesus se referiu acima estavam no livro, não nas pedras (Deut. 6:5) e (Lev 19:18). 

Nenhum dos 10 ítens do decálogo manda amar. Os judeus matavam, saqueavam, tinham mais de uma mulher, mentiam, odiavam seus inimigos, etc.

Os conceitos dos 10 mandamentos não são os mesmos da Nova Aliança.

E observem nessa doutrina, como eles dão ênfase na obrigatoriedade da guarda do decálogo a todas as pessoas, em todas as épocas, colocando-o como base da aliança de Deus e norma de Julgamento para os homens.

Ou seja; parece que esqueceram os ensinamentos de Cristo; para eles a pessoa será julgada e justificada pela obediência obrigatória dos 10 mandamentos e não pela fé em Jesus Cristo:
"Sabendo que o homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo, temos também crido em Jesus Cristo, para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pelas obras da lei; porquanto pelas obras da lei nenhuma carne será justificada." (Gal. 2:16)

Jesus não resumiu os 10 mandamentos em 2. Jesus resumiu a lei. Mas como os 10 fazem parte da lei, logo foram resumidos também. Ou seja:

-Os 2 maiores mandamentos da lei não fazem parte dos 10. (Deut. 6:5) e (Lev 19:18)

-Se os 10 fosse a lei, Jesus citaria um dos 10.

-Os 10 mandamentos não é uma lei, os 10 fazem parte da lei.

Na visão adventista, o homem não chegará ao céu somente porque seu pecado foi perdoado. Ele deve também ser obediente aos mandamentos de Deus. Entretanto como não temos poder para guardar a lei de Deus perfeitamente, como podemos esperar que chegaremos ao céu?
Apenas porque o Senhor Jesus Cristo viveu uma vida perfeita a nosso favor. Ele guardou a lei de Deus, e Deus em Sua grande misericórdia considera a obediência de Cristo com relação à Sua lei como se fosse nossa própria obediência. Ele a atribui a nós.

Assim, duas coisas aconteceram. Cristo morreu pelos nossos pecados para que pudéssemos ser perdoados; Cristo viveu uma vida perfeita, e agora Deus nos olha como se tivéssemos levado uma vida assim, e Ele nos aceita.

Temos que entender que é tudo pela graça, ou seja, nunca conseguiremos ser tão santos, tão bons, amar a todos, cumprir os mandamentos ao ponto de sermos aceitos, logo o que Deus faz? Nos aceita mesmo não conseguindo, isso é Graça, favor imerecido: nós não merecemos ser perdoados e Ele nos perdoa, não merecemos ir para o céu, e Ele nos leva, não merecemos pregar o Evangelho, mas Ele nos deixa pregar, não merecemos ganhar almas, mas Ele nos dá almas, não merecemos nada, mas Ele nos dá tudo...  E continuará a dar e fazer sem que haja qualquer atributo nosso cooperando para isso. Apenas Ele fazendo, pelo simples fato que quer fazer e continuará sempre a fazer. Isso é Graça.
3. QUEBRAM O 4º MANDAMENTO QUE ORDENA “SEIS DIAS TRABALHARÁS”

Não passam nem da primeira frase os judaizantes. Os adventistas, arrastados pelo próprio zelo sem discernimento, trabalham apenas cinco dias, o que os torna culpados de descumprirem os mandamentos. No primeiro dia da semana também descansam, vão à praia, cinemas, shoppings, etc. O que aconteceria se fossem obrigados a trabalhar no dia de descanso da igreja de CRISTO a fim de cumprirem a LEI mosaica? Minha sincera opinião é que os templos adventistas se esvaziam pois muitos estão ali sem realmente compreenderem o que fazem.

Em Êxodo capitulo 20, DEUS fala a Moisés. Em Deuteronômio (Deuteros = outra ou revisão; Nomos = Lei) mais precisamente no capitulo 5, Moisés vai falar ao povo e explicar o sentido do que está sendo ordenado (ver o versículo 27). Ali está a explicação a respeito do sábado cerimonial judaico no versículo 15, mais precisamente. Os adventistas não gostam de ler os Dez Mandamentos em Deuteronômio, pois cai por terra diversas de suas falsas afirmações a respeito do sábado e da obrigatoriedade de o observarmos conforme DEUS ordenou ao povo de Israel. Tal exigência nunca foi feita a igreja, aos gentios salvos pela Graça (Efésios 2:8-9).

Paulo descreve a lei e suas cerimônias como fracas e pobres (Gálatas 4:9).  Até as pessoas não regeneradas podem guardar dias, normas alimentares, etc. As leis de Deus eram belas no seu tempo e lugar, mas se tornam impedimentos quando substituem o Senhor Jesus. É idolatria voltar de Cristo para a lei. Para alguns, é motivo de grande satisfação sentir que existe algo que se pode fazer por esforço próprio afim de alcançar o sorriso de DEUS. Mas isso implica que o homem tem algum poder, e nessa medida, não precisa de um Salvador. Muitos querem a salvação, mas não querem o SALVADOR.

Ao insistir que existe apenas um Evangelho (Jesus 100% único meio de salvação), será que estou tentando agradar aos homens ou a DEUS? (Gálatas 1:10). O Evangelho de Jesus faz de DEUS tudo e do homem nada.
4. REJEITAM A AUTORIDADE DE JESUS SOBRE O SÁBADO

Jesus violou o Sábado. Frequentemente Jesus enfrentava polêmica com os judeus por causa do sábado. Os judeus eram ferrenhos guardadores do sábado e sempre estavam discutindo com Jesus sobre o assunto. 

O que é admirável é Jesus afirmar que a guarda do sábado fica subordinada à circuncisão. Uma criança que devesse ser circuncidada no oitavo dia do seu nascimento (Gn 17.10; Lv 12.3; Jo. 7:21-24) para que a Lei não ficasse invalidada, colocava a guarda do dia em posição inferior à circuncisão. Se a circuncisão é de valor secundário, inexpressivo, e nenhum cristão hoje a pratica, como terá a guarda do sábado como preceito? Ellen Gould White ensinava que a guarda do sábado implicava em salvação. O ensino de Jesus sobre o sábado é diferente, Ele é Senhor do Sábado.

Segundo a Bíblia, Jesus teve o seu nascimento prometido se­gundo a Lei (Dt 18.15); nasceu sob a Lei (Gl 4.4); foi circuncidado segundo a Lei (Lc 2.21); foi apresentado no templo segundo a Lei (Lc 2.22); ofereceu sacrifício no templo segundo a Lei (Lc 2.24); foi odiado segundo a Lei (Jo 15.25); foi morto segundo a Lei (Jo 19.7); viveu, morreu e ressuscitou segundo a Lei (Lc 24.44,46). Apesar de Jesus haver cumprido toda a Lei, a respeito dEle se lê:

"E os judeus perseguiam a Jesus, porque fazia estas coisas no sábado. Mas Ele lhes disse: Meu pai trabalha até agora, e eu traba­lho também. Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não somente violava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus" (Jo 5.16-18)

Jesus fez questão de trabalhar muito no Sábado, para ensinar a aliança da graça aos judeus. Ele fez questão de contrapor-se ao legalismo fanático dos judeus, satirizando-o. 

Observe que assim como para os judeus era inadmissível Je­sus ser Filho de Deus enquanto violava o sábado, para o Adventismo é igualmente impossível admitir que os evangélicos sejam filhos de Deus enquanto guardam o domingo, em vez do sábado.

Não conseguem admitir que existam Ex-adventistas vivendo completamente felizes e na plenitude da verdadeira liberdade em Cristo.
 
5. O SÁBADO FAZ PARTE DA LEI E ESTA FOI POR CRISTO ABOLIDA TOTALMENTE

Acusado pelos judeus de violar o sábado, Jesus afirmou que "... o sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado; de sorte que o Filho do homem é Senhor também do sábado" (Mc 2.27,28). Com estas palavras, Jesus defende o princípio moral do quar­to mandamento do Decálogo, condenando abertamente o cerimonialismo, e revela a sua autoridade divina sobre o sábado, para cumpri-lo, aboli-lo ou mudá-lo. O sentimento moral é a ne­cessidade de se descansar um dia por semana, valendo, para esse fim, qualquer deles. Sobre esta questão, escreveu o apóstolo Paulo: 

"Um faz dife­rença entre dia e dia; outro julga iguais todos os dias. Cada um tenha opinião bem definida em sua própria mente. Quem distin­gue entre dia e dia, para o Senhor o faz" (Rm 14.5,6). 

Ninguém, pois, vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa de dias de festa, ou de lua nova, ou de sábados, que são sombras das coisas vindouras; mas o corpo é de Cristo” (Cl.2:16-17).  

Para fugir à evidência de Cl.2:16-17, onde Paulo se refere ao Sábado semanal como integrante das coisas passageiras da Lei que terminaram com a morte de Cristo na cruz, os adventistas costumam argumentar que a palavra “Sábado” não se refere ao sábado semanal, mas aos anuais ou cerimoniais de Lv.23. O que não é verdade, pois os sábados anuais ou cerimoniais já estão incluídos na expressão “dias de festa”. Esta indicação mostra positivamente que a palavra SABBATON, como é usada em Cl.2:16, não pode se referir aos sábados festivos, anuais ou cerimoniais. Sendo assim é difícil para a igreja adventista sustentar a sua doutrina sabática, desde que temos visto que o Sábado pode legitimamente ser tido como “sombra” ou símbolo preparatório de bênçãos espirituais e não dogmas legalistas (vrs.17).  

Uma ressalva:

"LEMBRA-TE de que foste servo na terra do EGITO, e que o Senhor teu Deus te tirou dali com mão forte e braço estendido; pelo que o Senhor teu Deus te ordenou que guardasses o dia do SÁBADO." (Deuteronômio 5:15)
Agora lhe pergunto: O irmão foi escravo na terra do Egito? Por acaso não está dizendo para lembrares disso? Pois é, sei que o irmão não foi escravo no Egito, nem eu também, estando claro que Deus está se referindo aos JUDEUS, por isso pediu para que eles se lembrassem disso, porém mesmo assim esqueceram. Ora, se esqueceram e não guardaram, logo foi necessário que Cristo viesse e cumprisse, caso contrário todos nós estaríamos perdidos, derrotados pelo aguilhão da morte, sendo esta imposta por satanás. Mas graças a Cristo que nos livrou disso, nos chamando para a herança com Ele, pois antes estávamos afastados de Deus, separados pelo muro da inimizade, pois somos gentios, constituídos e levantados fora do arraial judeu.

6. GUARDAR O SÁBADO, PARA O CRISTÃO, É INCORRER EM UM GRAVE PECADO CHAMADO ADULTÉRIO ESPIRITUAL 

NÃO sabeis vós, irmãos (pois que falo aos que sabem a lei), que a lei tem domínio sobre o homem por todo o tempo que vive? Porque a mulher que está sujeita ao marido, enquanto ele viver, está-lhe ligada pela lei; mas, morto o marido, está livre da lei do marido. De sorte que, vivendo o marido, será chamada adúltera se for de outro marido; mas, morto o marido, livre está da lei, e assim não será adúltera, se for de outro marido. Assim, meus irmãos, também vós estais mortos para a lei pelo corpo de Cristo, para que sejais de outro, daquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de que demos fruto para Deus. (Romanos 7:1-4)

Nesta grave admoestação, o apóstolo Paulo quer dizer o seguinte: Infelizmente a Igreja adventista se torna uma Igreja prostituída, onde estão casados com Moisés, e cortejam a Cristo. Ora, está escrito, enquanto o marido não morrer, a mulher não pode casar com outro, pois ainda está presa à lei do marido, e se assim o fizer, comete ADULTÉRIO. Uma pena não compreenderem dessas coisas espirituais, só entendem das carnais, do tipo comida, bebida, e dias de festas, nada mais.

A lei era como um luminoso de natal; daqueles que quando uma lâmpada queimava, todas se apagavam.  Todas as normas estavam ligadas umas nas outras; se tropeçasse numa, era culpado por todas. O sábado junto com todas as regras, fazia parte da lei e todas as regras estavam interligadas. Ou você cumpre todas ou não cumpre nenhuma. Ou guarda toda a lei, sem errar nem mesmo nos mínimos detalhes... Ou adeus: É culpado e amaldiçoado por todos os crimes, todos os pecados; todas as imundícies; todas as sujeiras; todos os erros!
7. REPRESENTAM O FERMENTO DOS FARISEUS

"E Jesus disse-lhes: ADVERTI, E ACAUTELAI-VOS DO FERMENTO DOS FARISEUS e saduceus. COMO NÃO COMPREENDESTES QUE NÃO VOS FALEI A RESPEITO DO PÃO, mas que vos guardásseis do fermento dos fariseus e saduceus? Então compreenderam que não dissera que se guardassem do fermento do pão, MAS DA DOUTRINA DOS FARISEUS."

Segundo a passagem bíblica supracitada, fermento dos fariseus representa um acréscimo feito na Palavra de Deus, o Pão Celestial, que estraga toda massa do “pão”, ou seja, é a deturpação da Verdade feita pelos legalistas (Judaísmo, Adventismo e afim) com a finalidade de criar doutrinas heréticas para justificar o Legalismo.

Definir Legalismo de uma forma bíblica seria dizer “alguém que toma a Lei e a usa de uma forma que mereça a salvação”. Legalismo é uma tentativa de justificação, aperfeiçoamento e salvação por intermédio da Lei Mosaica.

Legalismo constitui um insulto a Deus por substituir a realidade com uma sombra, cerimonialismo em vez de Cristo. Legalismo significa abandonar Cristo como única esperança de Justiça. A fé em Cristo para as seitas é mais um dos passos da salva­ção, e não o ÚNICO.
Os que confiaram em Cristo não tem mais ligação com a lei como meio de obter favor divino. A salvação depende completamente da obra feita pelo Salvador.

A Graça diz: "Você foi libertado pelo imenso preço da morte de Cristo."

8. AFIRMAM QUE QUEM NÃO SE TORNAR ADVENTISTA FIEL E GUARDADOR DO SÁBADO NÃO PODERÁ SE SALVAR. AO MESMO TEMPO, AFIRMAM QUE OS QUE SAÍRAM DE SUAS FILEIRAS SÃO APÓSTATAS QUE PERDERAM A SALVAÇÃO.

Os adventistas crêem que a salvação é provisória e potencial para todos os homens, mas eficaz apenas para que se valem do beneficio. Para isso há necessidade de serem fiéis aos mandamentos, senão jamais poderão se apropriar da salvação. Afastar-se da igreja adventista significa perder a salvação. Essa doutrina é totalmente derivada dos Arminianos Holandeses seguidores de Jacobus Arminio (Sec XVII). Portanto um plágio, e não uma revelação dada por DEUS a Sra White. Em sua ânsia de conseguir garantir a salvação pela guarda do sábado, orgulham-se quando alguém, saído das suas fileiras, corre de braços abertos para o pecado grosseiro e descarado, como se isso provasse que não há salvação fora da igreja do sétimo dia. No entanto, quando alguém é convertido por DEUS e sai da seita para os braços do SENHOR, acusam-no(a) de herege, inimigo da lei de DEUS. Só há alegria nas suas fileiras quando alguém resolve guardar o sábado. (Mateus 23:15; Efésios 2:8-9; Gálatas 4:4-5; Romanos 8:23).
9. INCORREM NO GRAVÍSSIMO PECADO DA DOUTRINA DOS NICOLAÍTAS

A igreja adventista afirma que é a única e verdadeira igreja de Cristo. Essa afirmação é um absurdo, pois em nenhum lugar na Bíblia está escrito que somente uma igreja é a certa ou que essa igreja é melhor que as outras, pelo contrário, todos são filhos de DEUS, mediante a verdadeira fé em JESUS (I João 3:1).

Essa superioridade sobre todo o cristianismo fez com que os adventistas espalhassem a sua versão do Apocalipse totalmente errônea sobre a terra.

Talvez os adventistas não saibam, mas essa prática absurda de alguém se achar melhor que todos os outros cristãos e se tornar dominante é conhecida como a doutrina dos Nicolaítas. Essa doutrina é totalmente condenada e odiada por Jesus no livro de Apocalipse:

Tens, porém, isto: que odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio. (Apocalipse 2:6)

Jesus deixou ensinamentos para a criação de uma igreja (sem um nome específico), diferenciada e com diversos dons espirituais, isso foi feito visando apenas o melhor desenvolvimento entre os irmãos e não uma hierarquia dominante. E a prática de dominação consiste em converter o maior número de pessoas ao adventismo usando as interpretações do Apocalipse que se espalham rapidamente pelo mundo.

Vale lembrar que o exclusivismo, é característica de uma seita, ou seja, ser considerada como a ÚNICA correta, a ÚNICA igreja ou grupo correto. Consideram-se como o ÚNICO caminho para a Salvação, mesmo a Salvação estando em Jesus Cristo, é necessário participar do grupo.

10. CREDO ABSURDO DE QUE JESUS CRISTO É O ARCANJO MIGUEL 

As seitas, embora utilizando o nome de Cristo, não lhe dão o devido valor. Algumas subtraem a Sua Divindade (Tj’s), outras negam a Sua Humanidade (Espíritas, LBV, etc) ou confundem-lhe com o Pai e o Espírito Santo (Ig. Evang. Cristo é Vida (Carlos Magno), Tabernáculo da Fé (William Marrior Braham), Ministério Crescendo em Graça (Apost. Miguel Ângelo), etc). A verdade é que cada seita concebe um Jesus para si diferente do Jesus apresentado nas Escrituras.  E no adventismo não poderia ser diferente. Eles atribuem a Cristo Jesus o papel de criatura e não Criador, negando-lhe a Divindade, pois, segundo as Escrituras há grande (qualitativamente e quantitativamente) diferenças entre Jesus e Miguel. Vejamos:

a) Jesus é Criador ( Jo1.3 ) , Miguel é criatura ( Cl 1.16 )

b) Jesus é Adorado por Miguel ( Hb 1.6 ), Miguel não pode ser adorado ( Ap. 22.8-9 )

c) Jesus é o Senhor dos Senhores ( Ap. 17.14); Miguel é “um DOS primeiros príncipeS” ( Dn 10.13)

d) Jesus é Rei dos Reis; Miguel é príncipe dos Judeus (Dn 12.1).

e) Jesus é ‘antes de TODAS as coisas’(Cl. 1.17); Miguel é ‘um dos PRIMEIROS príncipes’(Dn. 10.13)

f) Jesus é o ‘Filho Unigênito’(Único de sua classe)(Jo. 1.18; 3.16); Miguel é ‘arcanjo’(o primeiro anjo, o anjo principal, o cabeça dos anjos, etc)(J9)

Creio que isso é suficiente para mostrarmos que o adventismo, mesmo professando um credo cristão, nos seus escritos dizem outra coisa. Como se não bastasse o fato de confundir Jesus com Miguel, o adventismo, pelo menos nos seus escritos, ainda afirma que Jesus tinha uma Natureza Pecaminosa. Lamentável...

Uma ressalva:

Não bastasse a confusão com Miguel, também fazem do Senhor Jesus um mentiroso, ao afirmarem que Lucas 16:19-31 se trata de uma parábola.

Ao contar parábolas, os judeus nunca mencionavam nomes próprios. Fazê-lo identificaria a historia como uma mentira e o que a contava como um mentiroso. Todas as vezes que o Senhor Jesus contou uma parábola, jamais usou nomes próprios, segundo o costume da época. Quando Jesus Cristo conta a historia relatada em Lucas 16:19-31 ELE menciona nomes próprios (Lázaro e Abraão), uma afirmação assombrosa para a época, o que indica que o Senhor Jesus, em sua Onisciência, estava relatando um fato real, demonstrando que ELE é DEUS e que conhecia as pessoas envolvidas, seus destinos, a situação em que se encontravam. Afirmar que ELE estava contando uma historia ilustrativa como se fosse verdade é acusá-lo de ser mentiroso.

11. COLOCAM CRISTO EM OUTRO LUGAR, NÃO ACEITANDO O FATO DE QUE CRISTO ESTÁ A DESTRA DE DEUS E NÃO EM UM SANTUÁRIO CELESTIAL

Esta é uma absurda doutrina adventista que diz que o Sacrifício de Jesus Cristo foi incompleto (misericórdia meu Deus), estando Ele agora em um santuário celestial, completando a redenção – "Juízo Investigativo".

A Bíblia é muita clara quando mostra que o Senhor Jesus Morreu UMA VEZ (Heb. 7:27) e que após isso sentou-se à destra de Deus (Colossenses 3:1; Heb. 1:3; Heb.: 1:13; Heb. 10:12; Heb. 12:2; I Pe 3:22). Estevão teve esta visão (Atos 7:56) quando estava pronto a morrer. Jesus estava de pé e não sentado pois estava naquela momento ministrando pelo Seu servo.
Ora, podemos imaginar um santuário no céu? Não há um absurdo maior!? TODO o céu é um santuário, pois é a habitação de DEUS!!!! O tabernáculo, o santuário na terra, foi estabelecido para ser um lugar separado de todo o mundo, a manifestação da Gloria visível de DEUS, representando em sombra, tudo o que seria realizado no futuro por CRISTO. É um absurdo imaginar que há necessidade de haver um santuário no céu! Eles distorcem o versículo que diz que DEUS mostrou a Moisés como ele deveria fazer a tenda, usando um tolo silogismo, afirmando que Moisés fez uma copia do santuário que há no céu, ao invés de simplesmente aceitar o fato de que DEUS mostrou a Moisés como ELE queria que o santuário fosse construído. (Marcos 16:19; Atos 7:56; Hebreus 10:12, 12:2; 1 Pedro 10:22) E ainda erram pois se o modelo mostrado a Moisés foi uma tenda, por que Salomão construiu o templo? E se o modelo mostrado foi um templo, Moisés desobedeceu construindo uma tenda! Quem poderia copiar algo existente no céu?!?!
12. DESOBEDECEM A DEUS AO ACEITAR OUTROS ESCRITOS ALEGANDO TER AUTORIDADE IGUAL À BÍBLIA

Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho. (Gal 1:6)

As Seitas, geralmente, possuem outra fonte de Autoridade além das Escrituras do Antigo e Novo Testamento. Seja novas revelações, escritos ou os dois juntos. Algumas colocam os escritos de seus lideres ou profetas com igual ou superior valor à Bíblia.
Os adventistas afirmam que os escritos de Ellen G. White oferecem uma "luz menor" que guia à "luz maior" que é a Bíblia, como se a Bíblia não tivesse luz suficiente. Porém Deus, através do apóstolo Paulo dá uma séria advertência:

Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema. (Gal 1:8)

A luz maior que é o Espírito Santo, que revela toda a verdade, não uma luz menor ou vela, que só mostra as sombras das coisas, conforme interpretações embaçadas, no intuíto de justificar um erro ou falsa profecia. Além das inúmeras contradições entre os escritos de Ellen e a Bíblia, Paulo adverte seriamente mais uma vez:

Assim como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema. (Gal 1:9)

Os fundadores (e atuais seguidores da seita) reservam-se o direito de possuírem revelação adicional à Bíblia (escritos de Ellen White), ensino contrário às Escrituras (Apoc. 22:18) e tem-na por profetiza (Hebreus 1:1). Entretanto, as suas profecias ou não se cumpriram (Deut. 18:22), ou são contraditórias, ou são absurdas, sendo que mais de 90% de seus escritos são plágios de outros escritores.

Preste atenção no que diz o Apóstolo Judas:

Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da salvação comum, tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez por todas foi dada aos santos. (Judas 1:3)

A fé nos foi entregue de uma vez por todas. O corpo doutrinário está completo, o cânon está fechado e nada mais pode ser acrescentado. "Se é novidade não é verdade; se é verdade, não é novidade." Quando um mestre afirma ter recebido uma revelação superior ou adicional àquela que se encontra na Bíblia, devemos rejeitá-la de imediato. A fé foi entregue uma vez por todas e não precisamos nem devemos aceitar nada mais. Esta é nossa resposta aos líderes de seitas e a seus livros que arrogam autoridade semelhante à das Escrituras.

Uma ressalva:

Repare agora nessa interessante comparação:

********************ELLEN G WHITE------------>BÍBLIA
LIVROS ESCRITOS*******130 LIVROS------------------->66 LIVROS
AUTORES **************ESCREVEU SOZINHA--------->40 AUTORES
PAGINAS ESCRITAS******1.000 MIL PG-------------->2366 MIL PG
CARTA ESCRITA A MÃO***2.000 MIL PG-------------->2366 MIL PG
VISÕES****************2.000 VISÕES------------->50 - Profetas e Apóstolos

TEMPO APROXIMADO------QUASE 60ANOS-------------QUASE 1600 ANOS
PARA ESCREVER
OS LIVROS

Porque os judaizantes não fazem certas perguntas a si mesmo, como: Porque Deus deu praticamente outra bíblia para os adventistas? Se for contar os livros de Ellen white, totaliza no total de 130 livros e a bíblia 66 livros; ela escreveu em praticamente 60 anos (130 livros) a bíblia foi escrita em 1600 anos (66 livros); ela escreveu sozinha, a bíblia foi composta por 40 autores pelo menos... Agora eu pergunto para algum adventista porque Deus deu a senhora Ellen white mais 64 livros para ela? Ela escreveu UMA BÍBLIA E MEIA, e teve até quarenta vezes mais visões do que todos os profetas bíblicos juntos e isso não faz o menor sentido.

Meus queridos isso é LOUCURA.....Porque Deus iria dar tanta visão para uma só pessoa, sePaulo que era Paulo escreveu cerca de 4 a 7 livros......? É para se pensar........ACORDE POVO ADVENTISTA, que Deus vos conceda olhos para enxergar, pois está tudo muito óbvio.
13. QUANTO À ORIGEM DOS ADVENTISTAS

Os fundadores (Miller, Bates, Ellen White, Iram Edson) a princípio acreditavam que a Profecia de Daniel 8:10-14 se referia à volta de Cristo. Depois, com muita “cara-de-pau” mudaram a interpretação afirmando que a profecia justifica sua própria origem e a existência de um santuário no céu. Estão totalmente fora de contexto pois, quando lemos todo o capítulo vemos que a profecia se refere claramente: 

a) À ira de Deus revelada no cativeiro babilônico (Daniel 8:19);

b) Ao surgimento do Império Medo Persa (Daniel 8:4 e 20); 

c) Ao surgimento do Império Grego (Daniel 8:5 e 21);

d) À morte súbita do rei da Grécia (Alexandre) e à divisão do Império Grego (Daniel 8:8); 

e) Ao engrandecimento de um dos reis (Antioco Epifânio) que surgiram desta divisão (Daniel 8:9-12); 

f) Ao período que este rei interrompeu o holocausto (168~165 a.C.) que era oferecido todas as tarde e todas às manhãs (Daniel 8:13-14). 

Ah, se os adventistas lessem humildes e contritos Daniel 8:16-19 em daí em diante quando Deus dá a entender a visão. Basta ler todo o capítulo pra se ver que eles estão totalmente fora de contexto.

14. MENTEM AO AFIRMAR QUE SUAS DOUTRINAS FORAM REVELADAS POR DEUS A ELLEN G. WHITE, UMA FALSA PROFETIZA

Para entender esse erro temos que voltar ao tempo no ano de 1844. O Adventismo surgiu em 1844, o mesmo ano da manifestação do Báb (Sétimo Rei do Livro de Apocalipse) através de sonhos e revelações sem qualquer fundamento Bíblico. Uma das pessoas que mais se destacaram nessa época foi Ellen G. White que se tornou a profetiza do novo movimento. Assim como Maomé, Zoroastro e muitos outros, Ellen também recebeu um novo evangelho anunciado por anjos. (Gálatas 1:8-9). As visões de Ellen eram precedidas de sensações de sufocamento e desmaio por alguma força oculta, somente após isso ela recebia a visita de anjos que lhe anunciaram um novo evangelho. Nem mesmo o Neurologista Dr. Molleurus Couperus, que estudou a mente de Ellen, conseguiu chegar a uma conclusão satisfatória.

Os erros dos adventistas não são de maneira nenhuma originais, digamos assim. Em 1640, na Inglaterra, um grupo intitulado Homens da Quinta Monarquia enfatizavam o advento de Cristo através de ensinos ascéticos. Pietistas Luteranos alemães do sec. XVII e XVIII também deram ênfase a alguns aspectos do advento. Todos estes tiveram muito de suas doutrinas plagiadas pela Sra White e seus compiladores, bem como alguns ensinos do arcebispo irlandês James Usher (1581-1656).

Muito da doutrina que se iniciou com a Sra White, Joseph Bates, Iram Edson e Tiago White, foi modificada e sofreu, digamos, alguns “ajustes” com o fim de viabilizar as idéias de seus fundadores. Quando apresentaram a William Miller a nova interpretação sobre a Daniel 8:44, dando uma nova interpretação para a equivocada doutrina de Miller sobre a data da volta de CRISTO, o grupo afirmou que o que havia se iniciado era na verdade uma contagem regressiva para a implementação do Reino. Jesus deveria realizar uma indispensável revisão dos inscritos no Livro da Vida para que começasse o Reino, o que depois chamaram de Juízo Investigativo. E uma das maneiras de apressar o advento do Reino era observar o sábado mosaico (7o Dia), ao invés do domingo que eles, até então, observavam como o dia do SENHOR.

Miller rejeitou as novas interpretações, arrependeu-se de sua previsão equivocada, pediu perdão a sua igreja e morreu como batista fiel. Miller jamais se tornou um adventista. E os adventistas hoje usam o sábado não para apressarem a volta do Reino, mas sim para garantirem sua própria salvação. Se fazem de judeus, mas não o são. (Apoc 3:9)

15. PROPAGAM UMA INTERPRETAÇÃO TOTALMENTE ERRÔNEA DO APOCALIPSE

A igreja adventista possui as mais absurdas teorias sem nenhum fundamento Bíblico sobre o livro de Apocalipse. As principais são: que o Anticristo será o presidente americano, a Besta do Abismo será o papa, o catolicismo é a Babilônia, não reconhecimento dos vindouros 7 anos de Tribulação e crer que serão protegidos da marca da besta pelo selo de DEUS que seria a volta da santificação do sábado e a marca da besta seria o domingo.

O Anticristo:  A nova ordem mundial estabeleceu que o anticristo tem que ser Britânico (um príncipe) e de preferência jovem. O perfil de um líder procurado pela ONU é de alguém em ascensão constante e não alguém do tipo sabe tudo. O presidente americano não é o anticristo.

A Besta do Abismo: No capítulo 11 escrito pelo profeta Daniel nos diz que o oitavo rei surgiria na Pérsia, pois toda a história dessa capítulo se passa nesse local. A besta do Abismo foi um homem que viveu na Pérsia e se fez passar por um representante da glória de DEUS. Nenhum Papa jamais realizou tal façanha. A interpretação de que o Papa é a besta já deveria ter sido esquecida faz tempo.

Babilônia: Basta um estudo mais detalhado sobre o capítulo 17 e 18 de Apocalipse (complementando os estudos com Jeremias cap51) para desmascarar essa mentira de que o catolicismo é a Babilônia, pois a Babilônia se trata de um País com grande poder no comercio mundial, devasta nações;  e a sua música, bem como arte em geral,  é referência no mundo inteiro. Somente os EUA possuem essas características.

7 anos de Tribulação: A Tribulação é um período futuro de 7 anos no qual Deus terminará de disciplinar Israel e finalizará Seu julgamento do mundo incrédulo. A Igreja, composta de todos aqueles que já confiaram na pessoa e obras do Senhor Jesus para salvá-los de serem punidos pelo pecado, não estará presente durante a Tribulação. A Igreja será removida da terra em um acontecimento conhecido como o Arrebatamento. Os adventistas afirmam que não haverá arrebatamento, que a igreja não será livre da grande tribulação, que os judeus não serão salvos. Afirmam que a igreja substituiu Israel e que a perseguição ocorrerá não por que os judeus reconhecerão que JESUS CRISTO é seu Messias de fato, mas que o Anticristo estará interessado apenas em impedir que se guarde o sábado cerimonial judaico pelos gentios. Isto é o mesmo que afirmar que guardar o sábado é mais importante que reconhecer a Jesus Cristo como o Messias prometido do velho testamento. Há absurdo maior? (Romanos 11:1-36). 

O Selo de DEUS e a Marca da Besta: O Espírito Santo é o selo de Deus. Deus coloca sua marca nos seus escolhidos, selando-os com o Espírito Santo para o dia da redenção.(Efésios 4:30). Isso é básico e óbvio, porém o selo de DEUS para os adventistas é volta da guarda do sábado, mas o que eles não sabem é que essa mudança será implantada pelo executivo mundial o próprio Anticristo!. Ele (O Anticristo), segundo as profecias judaicas, restabelecerá o Sanhedrin, o supremo tribunal religioso e as leis do povo judeu. Esta é uma condição necessária para a reconstrução do Terceiro Templo. Ele restabelecerá o sistema de sacrifícios, como também as práticas do Ano Sabático (Shmitá). A parte que ninguém ensina na igreja adventista é que o amor doentio que eles possuem ao sábado serve como instrumento de paranóia para convencê-los a se manter na igreja, gerando medo e pânico generalizado sobre a idéia absurda de que o domingo é a marca da besta.

    E por fim…uma profecia interpretada errada corre o risco de fazer com que alguns cristãos sejam deixados para trás. E se alguém tentar avisar sobre essa verdade certamente não será bem recebido, pois o Apocalipse cristão foi divido em duas partes que são: 1) Os que descobriram a verdade primeiro e querem ajudar; 2) Os que rejeitam a verdade de forma agressiva para que se cumpra a profecia abaixo:

    Mas a casa de Israel não te quererá dar ouvidos, porque não me querem dar ouvidos a mim; pois toda a casa de Israel é de fronte obstinada e dura de coração. (Ezequiel 3:7)

    CONCLUSÃO


    A Falsa e a verdadeira estrutura de Salvação:

    A Estrutura de Salvação Adventista……………….Estrutura de Deus

    1- Guardar o sábado——————–Abolido
    2- Julgar quem não guarda o sábado——————–Proibido
    3- Guardar o sábado é uma benção——————Rudimento para fraco e pobre
    4- Selados pelo sábado para salvação——————–Selados pelo Espírito Santo para salvação
    5- Sem guarda do sábado não há remissão——–—–Sem derramamento de sangue não há remissão
    6- Ministério da morte e condenação gravado em tábuas de pedras—————Ministério do Espírito de vida em Cristo Jesus testificado em nossa consciência
    7- Filhos da Servidão da Velha Aliança Mosaica————Filhos da Nova Aliança em Cristo Jesus
    8- Jesus Cristo é arcanjo miguel——–——–Jesus Cristo é Deus
    9- Escritos adicionais———————Se alguém vos anunciar outro evangelho maldito seja
    10- Papisa Ellen G. White—————–Não existe na Bíblia
    11- Ellen G. White recebeu uma mensagem de Deus—————–Ellen G. White recebeu um novo evangelho através dos anjos
    12- Salvação depende da nossa performance—————–Somos salvos pela performance de Cristo
    13- Salvação pela obediência——————Somos salvos pela obediência de Cristo
    14- Salvação pelas obras—————–Somos salvos pelas obras de Cristo
    15- Salvação só na igreja adventista————Salvação só em Cristo
    16- A lei são só os 10 mandamentos————A lei é todo um conjunto de 613 mandamentos, dos quais, só existe um legislador, que é Deus.
    17- Guardar só uma parte da lei que lhe convém e deixar de cumprir o resto———Todos aqueles, pois, que são da obras da lei estão debaixo da maldição; porque está escrito: Maldito aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las.
    18- Justificação pela lei————É evidente que pela Lei ninguém será justificado diante de Deus. Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça tendes caído

    . . . . .

    Vimos que a igreja adventista e seus ensinos não se harmonizam com as Escrituras. Não há como acreditar que eles não sejam uma Seita e perigosa, pois, se utilizam partes de um Credo Cristão (Escritura, Trindade, Nascimento Virginal de Cristo, Ressurreição Física de Cristo e Sua Ascensão, etc), mas no âmago possuem outra Fonte de Autoridade, comprometem a Natureza Divina de Cristo confundindo-o com Miguel, e a Natureza Humana contaminando-lhe com o Pecado, Sua Expiação e a Providência da Salvação.

    Sabemos de dezenas de histórias de pessoas que ficaram endividadas e chegaram até a passar necessidades e sabe por que? Os sabatistas proibiram o irmão de trabalhar naquela determinada firma, pois lá se trabalhava aos sábados. É impressionante como uma doutrina chega a ser extremista e a prejudicar a comunidade. Esse tipo de religiosidade chega a ser um perigo para a sociedade. Ainda bem que existe as verdadeiras Igrejas de Cristo para ensinar a verdade para as pessoas. A verdade é libertadora (Jo. 8:32) e não opressora como esta doutrina. As pessoas procuram as igrejas para tirarem o fardo pesado das costas (Mt. 11:28-30) e muitas vezes ao chegarem lá os seus fardos não se aliviam e sim ficam mais pesados. É o caso de quem se achega a igreja Adventista, pois quem não guarda o Sábado está fora da comunhão e doutrina da igreja.

    Não poderíamos terminar estas considerações sem fazer, em Nome de Jesus Cristo, um apelo honesto, sincero e com amor àqueles que estão ainda debaixo do jugo da lei, tentando guardar o sábado para se fazerem melhores aos olhos de Deus. O apelo é no sentido de que deixem o Espírito Santo abrir seus olhos para a verdade da Palavra de Deus, mediante a fé no sacrifício de Cristo, e ao mesmo tempo, deixem de incomodar os que querem viver debaixo da graça de Deus.

    Prezado amigo leitor, se você ainda não conseguiu a certeza de sua salvação, é porque você não aceitou o Senhor Jesus como Salvador e Senhor da sua vida, ou é porque você não está confiando em suas gloriosas promessas.
    Volte a ler esta mensagem, meditando com seriedade em todo o seu conteúdo, porque Deus quer lhe dar essa bendita certeza, que é a coisa mais bela e confortadora que existe no Evangelho de Cristo.

    DEUS te esclareça, amigo(a) adventista e te dê a salvação pela Graça. É meu desejo sincero e minha sincera oração.

    O Que é a Igreja?





    Igreja. Vemos esta palavra por toda a parte. Algumas pessoas usam “igreja” para descrever um belo edifício no centro de uma praça proeminente. Outros a usam para descrever uma organização religiosa mundial, completa com regiões, distritos e dioceses. As definições confusas de igreja, em nosso tempo, muitas vezes vedam o significado original desta palavra quando aplicada, no Novo Testamento, ao povo de Deus. Neste artigo, examinaremos brevemente o significado de “igreja” na Bíblia.

    Igreja: O que significa?

    Igreja é um edifício construído com blocos e cimento? Não. É um edifício construído com pedras vivas. “Também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casaespiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo”(1 Pedro 2:5). Estas pedras vivas são chamadas santos e são membros da família de Deus: “Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito” (Efésios 2:19-22).

    A palavra grega traduzida como “igreja” significa, literalmente, “chamado para fora” e assim refere-se a um grupo de pessoas chamadas para saírem do pecado no mundo e servirem ao Senhor. A igreja não é nenhum tipo de instituição ou objeto impessoal. É um corpo constituído de componentes vivos. Como um organismo vivo, a igreja pode sentir medo (Atos 5:11), pode orar (Atos 12:5) e pode falar (Mateus 18:17). Pessoas que são chamadas para saírem do pecado não continuam participando do mal no mundo, porque elas estão santificadas ou separadas do pecado (estude João 17:14-23; Colossenses 1:13; 1 Pedro 2:9; 1 João 4:5-6). Deus chama o povo para deixar o mal deste mundo através da mensagem do evangelho (2 Tessalonicenses 2:13-14). Aqueles que são convertidos verdadeiramente a Cristo são chamados santos (1 Coríntios 1:2; Colossenses 1:1-2).

    Entender o conceito bíblico de igreja como um corpo de pessoas chamadas para fora do pecado, para serem santos, ajuda-nos a apreciar a riqueza da descrição de Paulo da“igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue” (Atos 20:28). Jesus não morreu para comprar terra e edifícios, nem para estabelecer alguma instituição. Ele morreu para comprar as almas dos homens e mulheres que estavam mortos no pecado, mas que agora têm salvação e esperança de vida eterna (Romanos 5:8; 1 Coríntios 6:19-20).

    A Igreja Universal e a Igreja Local
    Algumas vezes a Bíblia usa a palavra “igreja” no sentido universal, isto é, para falar de todo o povo que pertence a Cristo, não importa de onde ele possa ser. Jesus falou da igreja deste modo: “Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mateus 16:18). Ele não está falando apenas de uma congregação local, nem está falando de uma organização ou instituição mundial. Ele está falando de pessoas, pedras vivas, construídas sobre Jesus Cristo, a fundação sólida. Paulo falou da igreja, neste mesmo sentido universal, quando escreveu: “...Cristo é o cabeça da Igreja, sendo este mesmo o salvador do corpo” (Efésios 5:23). Jesus é o cabeça sobre todos aqueles que o servem, todos aqueles lavados e purificados de seus pecados (Efésios 5:26).
    Frequentemente, a palavra “igreja” é usada para descrever uma congregação local ou assembleia de santos. Note uns poucos exemplos: “…à igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos…” (1 Coríntios 1:2); “E, se ele não os atender, dize-o à igreja; e, se recusar ouvir também a igreja, considera-o como gentio e publicano” (Mateus 18:17); “...saudai igualmente a igreja que se reúne na casa deles” (Romanos 16:5). Igrejas locais são o resultado da pregação do evangelho. Quando as pessoas obedecem a palavra e se tornam cristãs, elas começam a reunir-se com outros irmãos na fé.
    A Igreja: Organismo, não Organização
    A igreja é uma organização? Muitas pessoas têm a noção errada de que a igreja é uma organização ou instituição, independente do povo que compõe a igreja. Este não é o conceito bíblico de igreja. Jesus não morreu para estabelecer uma instituição, mas para salvar o povo do pecado (Atos 20:28; 1 Coríntios 6:20). Jesus e o Pai não habitam numa organização, mas no povo que os obedece (João 14:15, 23).
    Em vez de falar de uma organização, a Bíblia descreve a igreja como um corpo composto de membros vivos (Romanos 12:4-5; 1 Coríntios 12:12-27; Colossenses 1:18,24; Efésios 5:23). Estes membros do corpo são “blocos” ou “pedras” usados na construção da igreja (1 Pedro 2:5; 1 Coríntios 3:10-15).
    Muitas pessoas sugerem que a “igreja universal” é constituída de todas as congregações locais no mundo. Isto não é um conceito bíblico. Uma igreja local consiste de cristãos que se reúnem num determinado lugar. Eles podem ser identificados e contados (Romanos 16:14, 15; 1 Coríntios 16:19; Colossenses 4:15). A igreja universal consiste de todos os discípulos de Cristo em todo o mundo. Nenhum homem é capaz de identificar e contar todos os membros deste corpo universal. Tentativas de contar todos os verdadeiros cristãos em uma nação ou no mundo ilustram a ignorância e a vaidade dos homens. Somente Deus pode contar e identificar seus “primogênitos arrolados nos céus” (Hebreus 12:23).
    Descrições Bíblicas da Igreja que Pertence a Jesus
    A Bíblia não usa um nome exclusivo para a igreja. É errado, portanto, insistirmos num único nome que todas as igrejas fiéis tenham que usar. Muitas passagens falam simplesmente da igreja, algumas vezes identificando o local (cidade ou casa) onde o grupo de cristãos se reunia. Portanto, podemos nos referir à igreja simplesmente como “a igreja” (Atos 8:1; 9:31; Romanos 16:1).
    Frequentemente, as descrições da igreja no Novo Testamento mostram a relação que existe entre o Senhor e sua igreja. A igreja pertence a Deus, e é, muitas vezes, chamada “a igreja de Deus” (veja Atos 20:28; 1 Coríntios 1:2; 10:32; Gálatas 1:13; 1 Timóteo 3:5,15). Jesus derramou seu sangue para comprar a igreja. Portanto, Paulo falou de “igrejas de Cristo” (Romanos 16:16) e Jesus falou de sua própria igreja (Mateus 16:18). O povo de Deus pode ser corretamente descrito como a “igreja dos primogênitos arrolados nos céus” (Hebreus 12:23).
    Consideremos o significado de descrições bíblicas comuns da igreja.
    - O Corpo de Cristo (Colossenses 1:24; Efésios 1:22-23; 4:12). Assim como o corpo humano não pode sobreviver separado da cabeça, não podemos viver sem nosso cabeça, Jesus Cristo (Efésios 5:23; Colossenses 1:18). Discípulos de Jesus são membros do corpo (Romanos 12:4-5; 1 Coríntios 12:12-27; Efésios 3:6; 4:16; 5:30).
    - O Reino de Deus ou Reino dos Céus (Mateus 3:2; 4:17; Lucas 4:43; Atos 8:12; 19:8; 20:25; 28:23,31). A ideia de reino ressalta a posição de autoridade do rei (veja 1 Coríntios 4:20; Hebreus 1:8; 12:28-29; Mateus 28:18-20; Apocalipse 12:10). O reino de Cristo não é deste mundo (João 18:36). Em vez de ser uma entidade política e mundana, a igreja é um reino espiritual assentado no caráter santo de Deus. Podemos entrar no reino somente quando formos transformados espiritualmente (Colossenses 1:13). Como servos do Rei, temos que desenvolver as características espirituais de nosso Senhor (Tiago 2:5), incluindo sua humildade, inocência (Marcos 10:14-15) e santidade (1 Coríntios 6:9-10; Gálatas 5:19-21).
    - A Casa de Deus (1 Timóteo 3:15) não é um edifício material, mas o santuário e a habitação do Senhor (Efésios 2:21-22). É um edifício espiritual (1 Pedro 2:5).
    - O Rebanho de Deus (Atos 20:28). Jesus é o bom pastor que deu sua vida pelas ovelhas (João 10:11). As ovelhas ouvem sua voz e o seguem para receber a vida eterna (João 10:27-28).
    Nomes Humanos Causam Divisão
    A divisão religiosa em nossa sociedade é vergonhosa. Muitas pessoas estão confusas num mundo com muitos nomes diferentes de igrejas. Alguns destes nomes honram certos homens, enquanto outros ressaltam pontos doutrinários específicos.
    A unidade dos salvos é baseada no nome e na doutrina de Cristo. Devemos fazer tudo pela autoridade de Jesus ou em seu nome (Colossenses 3:17). “Não há salvação em nenhum outro...nome...” (Atos 4:12). Esta unidade é possível somente quando falamos e pensamos a mesma coisa, que é a doutrina de Cristo (1 Coríntios 1:10). Quando os homens começam a seguir outros homens, perdem a unidade com Cristo e seu povo (1 Coríntios 1:11-13). Divisões e contendas acontecem na igreja, em parte, porque algumas pessoas se identificam somente com nomes humanos. Paulo argumentou que devemos identificar-nos somente com o Senhor que servimos. Jesus foi crucificado por nós e somos batizados em seu nome. Jesus, e não homens, merece nossa dedicação e honra. Os verdadeiros seguidores de Deus fazem parte da igreja que pertence a Jesus.

    As Igrejas do Novo Testamento -
    A Pedra Angular do Cristianismo sem Denominação


    A igreja que Jesus estabeleceu era universal, abrangendo todos os que eram salvos (Atos 2:47). Todos os salvos numa certa comunidade eram a igreja  naquela comunidade.

    Ao nível local, elas eram organizadas para adoração e trabalho sob presbíteros (Atos 14:23). Esta era a única organização que Cristo deu à sua igreja. Ele era e é a única cabeça da igreja universal e a única cabeça de cada igreja local.

    Este arranjo de congregações autônomas, independentes, sem quartéis generais terrestres, não seria surpreendente para os estudantes da Bíblia. No Velho Testamento, Deus estava desgostoso com as tendências centralizadoras daqueles que construíram a Torre de Babel, e os espalhou. Seu plano para Israel foi que as tribos deveriam operar sem um governo central ou rei terrestre, somente Deus reinando sobre elas. A insistência delas na centralização e num rei humano lhe desagradou.

    Estas mesmas tendências humanas para centralizar apareceram muito cedo na igreja. O notável historiador da igreja, John L. Mosheim, descreve as mudanças feitas no segundo século:

    "Durante grande parte deste século todas as igrejas continuavam a ser, como a princípio, independentes umas das outras, nem eram ligadas por nenhum consórcio ou confederação ... Mas, com o passar do tempo, tornou-se costume para todas as igrejas cristãs dentro da mesma província unirem-se e formarem uma espécie de sociedade ou comunidade mais ampla; e, à maneira das repúblicas confederadas, manterem suas convenções em tempos determinados, e ali deliberarem pela vantagem comum de toda a confederação.... Estes concílios -- dos quais não aparece nenhum vestígio antes da metade deste século -- mudaram quase toda a forma da Igreja."  (História Eclesiástica, Vol. I, pág. 116).Na verdade, "quase toda a forma da igreja"  foi mudada, mudando para uma denominação. Agora havia uma nova associação, não de membros, mas de congregações. Agora havia uma nova organização entre as igrejas e Cristo. Agora havia uma nova autoridade capaz de multiplicar organizações e ofícios até a infinidade. Agora havia uma divisão separando as igrejas que cooperavam daquelas que não. E tudo começou quando as congregações renunciaram uma parte de sua autonomia.

    A autonomia da igreja local é a primeira e a última linha de defesa contra a ameaça sempre presente de criar denominações. A princípio, a renúncia de autonomia é sempre feita aos bocados, pelo bem da causa e voluntária. Mas, como o Incrível Hulk, a organização à qual ela é dada tende a crescer num senhor irresistível e sedento de sangue. Isso aconteceu no segundo século. Aconteceu de novo no século dezenove, quando centenas de congregações concordaram em permitir que uma sociedade missionária central supervisionasse sua obra missionária, somente para ver essa sociedade crescer em um único século para ser um corpo governador denominacional maduro. E essas mesmas forças estão operando no século vinte.

    As igrejas estão sendo solicitadas, nos dias de hoje, por várias instituições oferecendo-se para aceitar a responsabilidade pela obra de evangelismo da igreja, edificação e benevolência em troca de auxílio financeiro. Presbíteros das igrejas patrocinadoras "assumem a supervisão" do trabalho para o qual todas as congregações têm igual responsabilidade e pedem apoio dessas igrejas. Não é o limite da autonomia local rompido quando uma igreja local permite que a diretoria de uma instituição ou os presbíteros de outra igreja assuma a supervisão de qualquer parte de sua obra? Mas ainda não é o fim. Um livro recentemente despachado pelo correio para milhares de pessoas tenta provar que todas as igrejas de uma área urbana deveriam estar sob um presbitério. O livro leva numerosas aprovações.

    Aqueles que rejeitam estes conceitos não ficam imunes às influências pró-denominação. As igrejas, algumas vezes, são intimidadas a tomar decisão por um respeito inflado a um colegiado ou por temor de serem acusadas num jornal. Curvar-se a tais pressões ou permitir ser influenciados pelo que "a irmandade pensa" é tornar-se sectário e denominacional.

    Há, naturalmente, o perigo de reação em nossos esforços para evitar a criação de denominações. Ser cristão sem denominação não significa que tenhamos que evitar organizar-nos em igrejas locais, até mesmo em grandes igrejas como a de Jerusalém. Nem significa que uma tal igreja tenha que se isolar, adotar uma única denominação e agir como se não existisse outra igreja na terra. A igreja não-denominacional de Jerusalém reconhecia a existência de outras igrejas, enviou Barnabé para encorajar uma delas (Atos 11:22-24), recebeu esmolas de outras e foi incluída num grupo de igrejas das quais Paulo falou como "as igrejas de Deus na Judéia" (1 Tessalonicenses 2:14). Elas, porém, retinham o total comando de seus próprios trabalhos.

    A intromissão na autonomia local precisa ser resistida, não num "espírito de feroz independência de fronteira" mas pela fé em Cristo. Ele é rei e, num reino toda a autoridade precisa ser concedida pelo rei. Hoje, somente homens com credenciais do rei são presbíteros, os quais o Espírito Santo fez bispos (Atos 20:28). Sua autoridade precisa ser exercida em harmonia com a vontade de Cristo e somente na igreja da qual eles fazem parte (1 Pedro 5:2). Lealdade a Cristo exige estrita adesão a este arranjo.

    - por Sewell Hall






    Movimento do G-12: Mais uma heresia carismática!




    7 Razões para o crente fiel repudiar e se separar do Movimento G-12



    1. Por causa da origem herética
    Esse movimento, que nada mais é do que um outro "esquema" pragmático para crescimento de igreja a qualquer custo, é chamado G-12, que significa:

    G: Governo

    12: Grupo de 12 pessoas incluindo um líder (pessoa treinada em evangelismo e discipulado) que juntamente com os outros 11 são parte de uma "célula." Quando essa "célula" cresce e atinge 24 pessoas ela se divide e forma outra "célula." Essa palavra "célula" e essa prática, entretanto, são totalmente estranhas às Escrituras. Se o G-12 não se encontra nas Escrituras sagradas, de onde, então, é que tiraram essa idéia?

    Tudo isso teve origem na Missão Carismática Internacional em Bogotá, Colômbia. Como sempre mais um método e doutrina heréticos tinham que ter como origem oMovimento Carismático. Castellanos confessa que buscou inspiração no modelo de David (nome mudado para Paul) Yonggi Cho. Sendo assim ele é um discípulo do herético Paul Yonggi Cho da Coréia do Sul, que diz ter revelações diretas de Deus e outras aberrações doutrinárias:

    Paul Yonggi Cho é ecumênico: Tem comunhão com diversos padres católicos.

    Paul Yonggi Cho é herético: No seu livro "Quarta Dimensão" ele diverge radicalmente da fé Cristã ortodoxa.

    Paul Yonggi Cho diz receber novas revelações: Isso é mentira.

    Paul Yonggi Cho trocou de nome, supostamente por revelação, imitando o apóstolo Paulo: Isso é mentira.

    Paul Yonggi Cho prega o evangelho da prosperidade... (e a lista segue)

    Apenas essa ligação Castellanos - Yonggi Cho, seria suficiente para o crente lúcido rejeitar toda essa insanidade, mas vamos mais adiante e analisar outras características desse movimento herético e apóstata chamado G-12..

    2. Por causa do fundador herético: 

    Esse cidadão chamado César Castellanos se julga o propagador mundial de uma "Visão"

    Refutação:

    Esse César Castellanos talvez não saiba, mas o Cristianismo autêntico não precisa dele. Essa "visão" é falsa e a única explicação para o espalhamento dessa insanidade pela América Latina, é o fato do terreno ter estado fértil, por décadas de poluição doutrinária causada pelo Movimento Carismático, que recebe de braços abertos qualquer novidade religiosa que se encaixe com seu misticismo carnal. Isso é exatamente o que o apóstolo Paulo descreveu sobre os Carismáticos, inchados de carnalidade e orgulho, que estavam perturbando a igreja dos Colossensses (Col. 2:18).

    "Ninguém vos domine a seu bel-prazer com pretexto de humildade e culto dos anjos, envolvendo-se em coisas que não viu; estando debalde inchado na sua carnal compreensão,"

    3. Por causa das doutrinas heréticas
    Novas revelações diabólicas (Gal. 1:8-9)

    "A palavra de Deus veio a César Castellanos..."

    Ele disse:

    "...escutei ao Senhor dizendo-me: ‘vais reproduzir a visão que te tenho dado em doze homens, e estes devem fazê-lo com outros doze, estes por sua vez, em outros doze!’ Quando Deus me mostrou esta projeção de crescimento, maravilhei-me...."

    Refutação:

    Isso é a mais pura mentira deslavada. Será possível que os teimosos carismáticos nunca aprendem que não existem mais essas novas revelações e que tudo que Deus tinha que revelar Ele ja revelou?! Será possível que tantos néscios não enxergam que a Palavra de Deus já está encerrada em Apocalipse 22:21 e que se alguém lhe acrescentar mais alguma coisa, como César Catellanos afirma acintosamente, essa pessoa vai cair no julgamento divino?! Como explicar, então, esses fenômenos carismáticos? Novas revelações não passam de 2 coisas:
    1. Ou charlatanismo religioso (hipócritas inventam essas revelações exatamente como no Velho Testamento: Jer. 9:14; 23:16-26; Ez. 13:17);

    2. Ou influência diabólica (Gál. 1:8-9)


    Em qualquer dos casos, o objetivo claro é minimizar a autoridade e suficiência das Escrituras. Nisso os carismáticos são especialistas. A história deles é repleta disso. O grande e nobre tema da Reforma Protestante, entretanto, tão negligenciado por esse heréticos atuais, permanece de pé que é: Sola Scriptura!

    4. Por causa dos métodos heréticos
    4.1 O Pragmatismo: Se dá certo é bom! Essa maldição é totalmente contra as Escrituras Sagradas do começo ao fim.

    4.2 As "Regressões": Brincando e manipulando com a mente humana induzindo e trazendo à memória fatos do passado, trazendo grande prejuízo psicológico para muitas pessoas que entram em profunda depressão.

    4.3 O "Encontro": Retiro cercado de mistério à semelhança da diabólica maçonaria. A Bíblia proíbe categoricamente esse tipo de coisa (Jo. 18:20). Vejamos um relato do "Encontro" que vazou:

    "As palestras são repletas de doutrina neopentecostal onde o encontreiro é incentivado a quebrar maldições, participar de regressão, liberar perdão, em alguns casos, participar das orações em que o indivíduo cai, e a ser liberto de demônios, como nos diz um dos lideres do encontro: “até mesmo alguns de nossos lideres foram libertos de demônios”. As ministrações são o grande momento do Encontro. Durante as palestras, eles mantêm uma música lenta tocando ao fundo... e no momento da regressão o Manual até sugere ao ministrador o tipo de música, que deve ser “orquestrada e não conter uma letra, para que a atenção não se volte para a mensagem da letra. Sugere-se usar uma música clássica lenta, suave, ou que contenha ruído de mar..."

    "encerramento: E por fim, antes de encerrar o Encontro, é firmado o voto de Compromisso, onde o ministrador é orientado a levar os encontristas a ficarem de pé e repetirem o seguinte compromisso: Eu comprometo-me a não mencionar nada do que aconteceu no Encontro. Terei a responsabilidade de incentivar outros a fazerem o Encontro e a experimentar como o Encontro é tremendo...".

    4.4 A "cura interior." O crente quando nasce de novo, já experimentou a cura interior de que precisa e não necessita de carismático algum, cheio de heresias e de orgulho, para ensinar-lhe nada. O andar diário com Jesus Cristo, a comunhão com O Espírito Santo que habita em todo o crente (quem não é batizado no Espírito Santo não é salvo) e o lavar diário pela leitura da Palavra de Deus, são mais do que suficientes para a cura interior. O crente cheio do Espírito Santo não precisa de "técnicas" carismáticas" de cura interior, muito menos desse encontros. Vejamos o ensino categórico das Escrituras descartando o princípio errado dessa "cura interior" que causa grande prejuízo às pessoas, obrigando-as a remoer e a reviver pecados passados:

    "Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim," (Filipenses 3:13)

    E não ensinará mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei ao SENHOR; porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz o SENHOR; porque lhes perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados. (Jeremias 31:34)

    Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim, e dos teus pecados não me lembro. (Is. 43:25)

    4.5 A "Quebra de maldição": Essa doutrina carismática nega o poder do novo nascimento que ocorre quando o pecador se arrepende e deposita sua fé na pessoa de Jesus Cristo. Quando isso acontece, todas as maldições são imediatamente quebradas. O salvo não precisa de "exorcistas" carismáticos a ficar lhe atormentando com a idéia de que ele precisa de rituais de quebra de maldição. Isso é uma armadilha satânica para minimizar o poder do sangue de Jesus Cristo em purificar de TODO O PECADO (1Jo. 1:9) o salva. O problema dos carismáticos é que eles são semi-analfabetos Bíblicos e desprezam a autoridades das Escrituras.

    4.6 As mulheres "pastoras": O movimento do G-12 que já começou errado com Claudia Castellanos se auto intitulando "pastora" insiste na rebelião feminina que nada mais é do que o espírito de Jezabel que se apossa dessas mulheres rebeldes e que desprezam a categórica proibição Bíblica. Valnice Milhomens, a carismática cheia de heresias, foi uma das maiores responsáveis por trazer o G-12 ao Brasil em 1999.

    4.7 A música dos demônios: A música contemporânea é usada e abusada pelo G-12. É claro, pois como carismáticos eles já estão mais do que acostumados com essa apostasia que alimenta as emoções, sentimentos e experiências as quais são, repita-se, toda a fonte de autoridade do movimento carismático.

    4.8 A dança: A prática da dança também é incentivada nas igrejas que adotam o modelo do G-12. Até mesmo um tal de "Xote Santo" ocorreu numa igreja que adota o G-12. Note que não há absolutamente NADA no Novo Testamento a basear essa prática carismática. O que se vê é um exibicionismo doentio de mulheres sensuais e atraentes a ficar dançando no palco (sim porque o púlpito já foi colocado de lado de tão desmoralizado) com vestes imodestas a provocar a concupiscência dos homens que ficam a repetir como retardados o lema do G-12: "é tremendo..."

    5. Por causa do "Encontro" herético 

    Esse tal de "encontro" nada mais é do que um retiro de 3 dias, onde algumas atividades bizarras são programadas. A palavra mágica "É Tremendo..." é usada como propaganda e chavão desse retiro que pretende produzir completo crescimento espiritual nos participantes em um final de semana. Notemos que o G-12 é uma mera cópia do cursilho de Cristandade "Opus Dei" católico, inventado pelo padre Josemaria Escrivá em 1928. Da Espanha, o "Opus Dei" encontrou terreno fértil na Colômbia, país altamente católico, cujos "evangélicos" mal doutrinados lhe deram uma maquiagem carismática e transformaram-no no G-12. Ver o artigo do pastor Paulo Pimentel intitulado "G-12 Tem Origem Católica?" e também o artigo "De Escrivá a Castellanos" do pastor presbiteriano Onezio Figueiredo.

    6. Por causa das blasfêmias contra Deus! 

    Vejamos apenas uma aberração blasfema desse movimento:

    "Perdoar" a Deus?

    No G-12, numas das supostas sessões de cura interior, se ensina que se deve "perdoar a Deus." Isso é uma blafêmia sem fim. Só precisa de perdão alguém que comete transgressão. Se Bíblia nos ensina que Deus é Puro e Santo (Is. 6:3; Hab. 1:13; Jo. 17:11, Ap. 4:8), como um pecador cheio de iniquidades pode ter a audácia e a petulância de ensinar a outro pecador que se deve perdoar a Deus? Só mesmo a heresia cega de rebeldes pode inventar isso. Vejamos a confirmação dessa heresia do G-12 pelo trecho de um artigo da Folha Universal intitulado "G12: doutrina ensina que o homem deve perdoar a Deus": "As técnicas psicológicas ensinadas no "Manual de Realização do Encontro", por sua vez, são de arrepiar qualquer cristão: pelas regras do G12 , para que um indivíduo alcance a devida libertação dos traumas do passado (técnica de cura interior), é necessário que este tente visualizar o "encontro do espermatozóide do seu pai com o óvulo de sua mãe". Depois da visualização de cada etapa de vida – no útero, durante a gestação, na infância até a idade adulta –, a pessoa deve perdoar àqueles que eventualmente tenham lhe causado sofrimento, sem esquecer ninguém - nem mesmo Deus. "Eles precisam liberar perdão às pessoas envolvidas em cada fase e até mesmo a Deus", diz um trecho do manual."

    7. Por causa dos resultados desastrosos 

    7.1 Orgulho de quem fez o "encontro":

    Da mesma maneira que os faladores de línguas, que se julgam superiores aos que não falam, os participantes desses "encontros" heréticos se julgam superiores aos outros que não participaram.

    7.2 Falta de ética dos obcecados pelo G-12.

    O G-12 já foi motivo de diversas brigas, divisões de igrejas e várias situações de litígio em diversas denominações.

    7.3 Falta de discernimento de quem recomenda o "encontro" Na reunião de liderança da CBN (a herética Convenção "Batista" de Carismáticos) em Brasília, em 04 de abril de 2000, representantes de quase todo o Brasil, chegaram a um "consenso" para EXPERIMENTAR a eficácia dos “encontros.”

    Isso revela 2 coisas acerca dos "Batistas" carismáticos:

    1. Eles são incapazes de tomar decisões próprias na igreja local, mas precisam de um concílio "eclesiástico" aos moldes da igreja católica.

    2. Eles não são guiados pela Palavra de Deus, mas por "consenso." Consenso na heresia continua sendo heresia...



    Conclusão:

    O G-12 é heresia do começo ao fim.

    1. Por causa da origem herética

    2. Por causa do fundador herético:

    3. Por causa das doutrinas heréticas

    4. Por causa dos métodos heréticos

    5. Por causa do "Encontro" herético

    6. Por causa das blasfêmias contra Deus!

    7. Por causa dos resultados desastrosos